Páginas

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Retrospectiva: 2010 no Design do Bom

472327992_87552c627a_z

Posso dizer que 2010 foi um ano surpreendente, em todos os sentidos. Em fevereiro, nascia o Design do Bom, muito despretensiosamente, apenas para dar vazão às coisas bacanas que eu via por aí e não conseguia compartilhar com mais pessoas por meio das revistas onde escrevia.

E aí o número de leitores foi crescendo, o blog foi ficando mais conhecido (até foi recomendado pelo WGSN como um dos melhores blogs de design da América Latina)… e eu me diverti a valer fazendo os posts e conhecendo muita gente bacana por meio dos comentários aqui no blog e também no Twitter.

E, pra fechar bem o ano, resolvi fazer uma mini-retrospectiva, com os posts mais acessados de cada mês. Então confiram aí:

Uma imagem para a sexta… (#33)


Shinichi Maruyama_1

Tão incríveis as “esculturas” feitas com água (pura ou com tinta) pelo japonês Shinichi Maruyama, que não me aguentei e resolvi (de novo…rs…) postar mais de uma imagem nesta sexta-feira.

Evidentemente efêmeras, essas imagens são congeladas no tempo graças à altíssima velocidade do obturador de Maruyama, que opera entre 7,5 e 20 milésimos de segundo!

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Nike lança tênis feito com revistas recicladas


3598366889_fa55a25d1b_z

Simpatizo muitíssimo com a ideia de reaproveitar papéis de jornais e revistas, por razões óbvias, como a abundância e o custo acessível (ou inexistente) dessa matéria-prima. Por essa razão, já publiquei algumas iniciativas bacanas aqui no blog: papel de parede, “madeira de papel” e até um caixão! Agora é a vez de uma linha de tênis que a Nike (sim, de novo ela!) vai lançar em janeiro de 2011.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Régua elétrica modular e giratória facilita a vida

Um tempinho atrás falei aqui sobre uma régua de tomadas inteligente, que, por ser articulável, permitia o melhor aproveitamento das tomadas. Hoje vi outra bem interessante e que também permite o uso de todas as tomadas, mesmo que alguns dos plugues sejam mais “vitaminados”.

A diferença é que neste projeto, criado pelos designers Cheng-Hsiu Du & Chyun-Chau Lin, a articulação agora é em torno do próprio eixo da régua (e cada módulo pode girar 360 graus!).

Rotating Plug 1

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Uma imagem para a sexta… (#32)


Papai Noel esquiando - foto Christian Charisius

E já em clima natalino, aí vai a imagem dessa sexta, desejando a todos os leitores do blog um feliz Natal, com muita paz, amor… e bom humor, como inspira o Papai Noel aí de cima.  ;-)

(Via The Big Picture; foto Christian Charisius/Reuters)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

A aposentadoria dos tênis?

E se em vez de “empacotar” os pés com tênis e outros calçados na hora do esporte, os deixássemos livres? Pois essa foi a proposta da designer Frieke Severs, que propôs, como projeto de graduação na Nike EMEA, uma série de proteções adesivas para os pés, voltadas para diferentes tipos de práticas esportivas.

Footstickers - Woman Combat Cardio

Com os pés descalços, temos mais sensibilidade nos pés, maior contato direto com o solo e, assim, melhor controle dos movimentos. Só que o risco de machucá-los, por outro lado, é maior. E é aí que entram os adesivos, que previnem escorregões e protegem os pés do atrito, do impacto e de torções, sem tirar a sensação de “pé no chão”.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Unindo o útil ao agradável…

Simples e inteligente a proposta do designer Chris Brigham: pra quem mora em apartamento e não gosta (ou não pode) guardar a magrela na garagem, ele pensou em um suporte de parede que ainda faz as vezes de estante. Dá pra colocar livros, um enfeitinho, o capacete…

Bike Shelf_Chris Brigham_1

Executada em madeira maciça e presa à parede por um perfil metálico (veja detalhes aqui), a Bike Shelf é um jeito prático e elegante de tirar a bike do meio do caminho (e garantir que ela não seja derrubada por acidente)!

sábado, 18 de dezembro de 2010

Arte contra o desperdício

Chris Jordan_1

Entendeu o que significa a imagem acima?  Parece uma gravura abstrata, simpática, interessante… mas se olharmos mais de perto…

Chris Jordan_2

…e mais de perto ainda…

Chris Jordan_3

… é possível perceber que o desenho geométrico é formado por copos plásticos empilhados (um milhão deles, pra ser mais exata). Batizada de Plastic Cups, a foto  integra a série Running the Numbers: an American Self Portrait, clicada pelo artista fotográfico Chris Jordan entre 2006 e 2009.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Uma imagem para a sexta… (#31)

Foto Stan Bouman

Fiquei encantada com essa foto de Stan Bouman, um dos participantes do 2010 National Geographic Photography Contest. A composição, as cores, o contraste super acentuado que transforma tudo em silhuetas… amei! Muitas outras fotos bacanérrimas se inscreveram para o concurso neste ano… Para visualizar esta imagem maior, clique aqui e, para conferir a galeria completa, aqui.

(Via The Big Picture)

Da mesa para o criado-mudo

Uma ideia simpática e bem-humorada: o abajur clássico tem a base substituída por xícaras e outras louças, aparentemente empilhadas ao acaso. Mas, claro, é tudo truque: a “pilha” vem prontinha e pode ser encomendada online – o comprador só precisa comprar a cúpula segundo o tamanho recomendado.

Abajur xícaras 2[9]

Me parece que deve funcionar melhor com um fundo colorido, assim dá para destacar a silhueta das “louças”.  Além disso, apesar de sua forma mais barroca, a base pode ser útil para quebrar a sobriedade de alguns ambientes mais clássicos, como o da foto abaixo.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Konstantin Grcic no DesignMiami/ 2010

O alemão Konstantin Grcic foi nomeado Designer do Ano na sexta edição da DesignMiami/, que aconteceu no início de dezembro. Como é de praxe, ele foi convidado a criar uma instalação a ser exposta durante a feira. E olha que bacana o que ele inventou:

Konstantin Grcic_Design Miami 2010eFoto: Erica Overmeer

Sem abrir mão da funcionalidade, característica sempre presente em seus projetos, o alemão criou uma instalação belíssima, na qual os visitantes podiam descansar e interagir uns com os outros. 

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Uma imagem para a sexta… (#30)


Mark Tipple_The Underwater Project

No meio dessa pauleira de fim de ano, tenho certeza que um banho de mar me daria fôlego extra… E acho que foi com esse desejo em mente que fiquei um tempão olhando a série “The Underwater Project”, clicada pelo fotógrafo documentarista Mark Tipple. Já começa a dar um gostinho de férias…

(Via Behance)

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Brunno Jahara lança luminária Batucada

A linha Batucada, lançada pelo brasileiro Brunno Jahara no Salão do Móvel de Milão deste ano, ganhou mais um integrante. A nova peça é uma luminária (de mesa ou piso), cuja cúpula lembra as clássicas luminárias industriais do século 20, mas atualizadas pelas cores vibrantes e pela superfície "martelada".

Luminária Batucada_1

A criatividade natalina pode lhe render um prêmio…

Se você curte decorar a casa pro Natal, vai gostar de saber que o blog Design por Dentro, do Instituto Brasileiro de Design de Interiores (IBDI) lançou um concurso de decoração natalina.  Para participar, é só enviar uma foto de uma árvore ou um enfeite que seja bonito, mas também fuja do comum. Esse aí de baixo eu vi no Flickr e achei bem simpático…

2085423794_97b19f3c9c_z

O concurso segue até o dia 17 de dezembro, e o vencedor será premiado com um Curso Livre de Decoração de Interiores do IBDI. Mais informações no blog Design por Dentro.

(Foto Nicole Vaughan/Flickr)

Balinhas e nozes ao alcance da mão

VacuVin

Muito boa a sacada do pessoal da VacuVin: ficou bem mais prático abrir, servir e fechar (hermeticamente) o pote. Pra entender melhor como funciona, dá uma olhada no video abaixo.


(Via Core77 e VacuVin)

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

…e por falar em viagem…

…e papel que não rasga, fiquei caidinha por essa mala criada por Saskia e Stefan Diez. Feita em Tyvek (um papel especial produzido pela DuPont), é resistente a rasgos, impermeável e levíssima – pesa só 135g.

Papier travel bag[4]

A ideia era transformar e renovar um item familiar: “a série Papier é um experimento na revisão da tipologia clássica”, explica o site de Saskia. Por um lado, deve dar uma peninha de usar a mala no começo, afinal a forma dela é incrível… Mas por outro, me agrada a ideia do produto que vai se transformando com o uso, guardando as marcas que vamos imprimindo…

sábado, 4 de dezembro de 2010

Para simplificar a vida do viajante

Viajar é ótimo e decifrar os mapas é parte da diversão (pelo menos para mim). O chato é, após o uso, ter que dobrar o mapa exatamente do jeito original, para que ele não acabe rasgando logo…

O problema foi resolvido pelo designer italiano Emanuele Pizzolorusso, que criou a Crumpled City, uma série de mapas “duros na queda”. Produzidos em uma lona especial, foram pensados para serem amassados e jogados na mochila de qualquer jeito (ou colocados no bolso!) após o uso, sem o risco de estragar. E, pra melhorar, são impermeáveis!

Crumpled City_5

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Alberto Benzecry mostra sua produção de 2010

Descobri o trabalho do Alberto Benzecry em outubro, quando estive no Rio pela última vez. Saindo de um cinema em Botafogo, entrei na lojinha anexa e me apaixonei por um anel que estava lá… Dentre outros, esse aí de baixo – uma tira torcida em prata escovada – me saltou aos olhos na hora. Simples e genial!

Só que, pra minha tristeza, tinha ficado enorme para o meu dedo… Aí, por intermédio de uma amiga querida acabei entrando em contato com o designer, que, gente finíssima, acabou fazendo um outro anel igual no meu tamanho.  Já usei um bocado, e não consigo enjoar dele!! Olha só:

Anel Alberto Benzecry_1

Anel Alberto Benzecry_2a

E o Alberto me mandou um e-mail dizendo que ele vai promover, amanhã (04/12), uma mostra da produção realizada em 2010, em seu ateliê, a partir das 15 horas. Então, se você estiver no Rio amanhã, não perca!
(O endereço do ateliê foi removido desse post a pedido do designer, mas se você quiser contatá-lo, pode mandar um e-mail para benzecry@centroin.com.br).

Uma imagem para a sexta… (#29)


We Make Carpets - Pasta Carpet_1

Já faz um tempinho que acompanho o trabalho do coletivo holandês We Make Carpets e sempre acho divertido. Eles criam tapetes efêmeros a partir de materiais inusitados – já usaram pimentas, soldadinhos de chumbo, garfos, esparadrapos, balões, canecas de café… Essa foto aí de cima é o último post deles, e o tapete foi feito com macarrões.

Não é a primeira vez que eles constroem com macarrão, mas achei que o resultado dessa vez ficou super elaborado… vale até colocar mais uma imagem (correndo o risco de precisar mudar o nome do post pra “imagenS para a sexta”… rs). Aí vai ela:

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Salão Design 2011– inscrições abertas

Promovido pelo Sindmóveis desde 1988, o Salão Design é um concurso que busca promover e desenvolver a cultura do design entre empresários, profissionais e estudantes, ampliando o interesse pelo design de qualidade e pela inovação como fatores de diferenciação e competitividade nos mercados mundiais.

Salão Design 2011

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Sagmeister em SP: design e felicidade


Stefan Sagmeister[4]

“É possível perseguir a felicidade no design?” Com essa pergunta, Stefan Sagmeister abria sua palestra aqui em São Paulo, na semana passada. Promovida pela revista AbcDesign, a apresentação do designer austríaco (radicado em N. York) foi bem instigante. Sagmeister apontou duas questões que ajudam nessa “busca pela felicidade”:

  1. fazer mais as coisas que se gosta e menos as que não se gosta”: parece óbvio, mas nem sempre é possível... fica mais viável depois que já se goza de uma certa reputação no meio.
  2. saber a metade pra não ficar assustado e não saber a outra metade pra não ficar entediado”: essa já pode ser aplicada por praticamente todo mundo, em qualquer estágio da carreira. Afinal, quem assume um trabalho sem o conhecimento necessário certamente não obterá resultados satisfatórios (e muito provavelmente, terá sua reputação prejudicada); por outro lado, são a surpresa e o desafio que nos impulsionam, né?

Sagmeister_Everything I do[5]

“Madeira” de papel!

Ideia “da boa”: a partir de jornais usados (material barato e amplamente disponível, já que é descartado em enorme quantidade todos os dias), a designer Mieke Meijer desenvolveu o KrantHout, um material que remete à madeira.

KrantHout

Trata-se de “uma inversão do processo produtivo tradicional: não da madeira para o papel, mas ao contrário”, explica a designer. As páginas de jornal são empilhadas e enroladas usando uma máquina desenvolvida especialmente para produzir “toras”, que depois podem ser cortadas em tábuas e tratadas de forma similar à madeira de verdade.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Uma imagem para a sexta… (#28)

A imagem de hoje merece estar aqui não por seu valor estético (eu mesma tirei essa foto, com meu celular, sem nenhuma pretensão artística), mas sim pelo que ela representa: um momento longe da correria, um lugar pra esquecer, ainda que por alguns instantes, o relógio e seu tic-tac atropelador…

Lago com carpas

E o mais legal é que esse oásis fica em plena cidade de São Paulo: é um templo nas Perdizes, que tem, anexo, um restaurante super gostoso. Almoçar bem e depois parar por alguns instantes: boa pedida para uma sexta, não é?

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Levando o bar para casa…

Escrever em toalha de bar (daquelas de papel) é uma delícia, né? Em guardanapo também… pois essa experiência deu uma ideia e tanto aos portugueses do Serrote, um grupo de designers gráficos que se especializou, entre outras coisas, em criar caderninhos dos mais diversos tipos. Nesse caso, os cadernos Toalha (11,5 x 17 cm) têm o miolo feito do mesmo papel das toalhas de restaurante. Simples e genial!!

Serrote_Caderno toalha de mesa

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Os acessórios eco-chics de Nara Guichon

Há alguns dias, estive no ateliê de Nara Guichon, em Floripa. O trabalho que ela desenvolve é super bacana, combinando uma sensibilidade estética apurada à consciência ambiental. A designer e artesã trabalha com tricô, crochê e tear manual, dentre outras técnicas, mas o que me mais encantou foram os acessórios que ela cria a partir de velhas redes de pesca.

Nara Guichon_redes
Feitas em poliamida (material altamente poluente), as redes têm uma vida útil determinada e, depois de certo tempo de uso, tornam-se frágeis demais para a pesca, tendendo a rasgar facilmente. Neste momento, são enviadas a oficinas especializadas no restauro das tramas: lá, as partes mais frágeis são substituídas por trechos novos. E são justamente os descartes deste processo que Nara usa em suas criações, dando-lhes novo fôlego: surgem, então, bolsas, colares, echarpes, pulseiras e cintos.

Nara Guichon_bolsa

domingo, 21 de novembro de 2010

Embalagem no caminho certo

Muito legal o protótipo de embalagem criado pelo pessoal do Design Simples (Ana Clara Goyeneche, Fábio Takao, Lucas Colebrusco e Rafael Gatti) para as camisetas do Coletivo Verde, que são vendidas pela internet (e, portanto, enviadas via correio).

embalagem floreira

Tendo como principal matéria-prima o bambu – o que por si só já é uma vantagem –, a embalagem se transforma em uma simpática floreira. O video abaixo mostra como funciona essa “metamorfose”:

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Uma imagem para a sexta… (#27)


IMG_6632_DxO'[4]

Mesmo após três anos editando uma revista de lighting design (a L+D), continuo fascinada pela capacidade de transformação que a luz traz consigo…

As duas fotos desse post foram clicadas pelo meu irmão em Berlim no final de outubro, durante o Festival of Lights, que acontece por lá todo ano nessa época. Na imagem de cima, a fachada da Berliner Dom estava completamente modificada pela projeção em padrão xadrez – abaixo, o mesmo edifício com a iluminação habitual.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Design e identidade na Bienal de Design 2010

A questão da identidade está intrinsecamente ligada ao design em suas diversas esferas, já que os produtos que escolhemos, compramos e consumimos comunicam aos outros, deliberada ou inconscientemente, quem somos. E quando o produto se conecta com duas identidades (a do seu usuário e aquela do lugar onde foi produzido), ainda melhor, né?

3375927969_5282bbf9c5_z

Pois esse era o mote do núcleo Pertencimento, que integrou a mostra principal da Bienal de Design em Curitiba: a ideia era trabalhar com o conceito de “uma identidade em movimento, que se reinventa a cada passo”, explica a curadora Adélia Borges.

Acho que o tema da identidade pode ser lindamente explorado nos diversos campos do design. Mas neste post escolhi mostrar alguns acessórios de moda exibidos na Bienal que provam que, sim, é possível partir de elementos muito conhecidos de uma forma rica, sem seguir o caminho fácil (e pobre) do clichê.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Geléia fácil (e doce de leite, nutella, maionese…)

Esse é mais um post sobre um tipo de projeto que considero genial: aquele que surge de ideias simples, com mudanças sutis, mas capazes de fazer toda a diferença para quem vai usar o produto.

É exatamente o caso do Easy PB&J Jar, um pote de vidro criado pelo designer Sherwood Forlee. À primeira vista, parece um pote normal daqueles de conserva, sem nada além do que a gente já conhece. Só que basta olhar com um pouquinho mais de atenção para se perceber que o vidro tem duas tampas, uma em cada extremidade.

Easy jar 1

A ideia é fazer com que seja mais fácil retirar os restinhos de geléia, manteiga de amendoim ou outras pastas guardadas nos potes – quem já não perdeu a paciência tentando tirar a última colherada de doce de leite naqueles cantinhos praticamente inatingíveis? (Excluem-se, aí, os usuários da espertíssima colher criada pelos irmãos Castiglioni para a Kraft na década de 1960, hoje reeditada pela Alessi).

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Bienal de Design 2010: a mostra principal

Já falei aqui antes do quanto gostei de visitar a Bienal Brasileira de Design em Curitiba. O resultado foi muito bacana e acho que o tema geral da Bienal – “Design, Inovação e Sustentabilidade” – também foi feliz. A começar por destacar a inovação, que é uma condição intrinsecamente ligada ao bom design (“o bom design é inovador”, já dizia – e ainda diz – Dieter Rams).

E a sustentabilidade? Expressão que é a “bola da vez”, item obrigatório em todo discurso marqueteiro (e em outros tipos de discurso também), como ela está sendo tratada no design brasileiro? “Desvendar os véus das interpretações rasas e das palavras vazias de significado para, por trás delas, encontrar exemplos de design sustentável nas várias regiões do Brasil contemporâneo foi a tarefa a que nos autoimpusemos nesta exposição”, afirma a curadora Adélia Borges.

Uma imagem para a sexta… (#26)

Tim Flach - Dogs

Volta e meia eu me pego pensando em ter um cachorro… aí racionalizo e me convenço de que não vai dar certo, por várias razões práticas. Só que não consigo deixar de me derreter quando vejo uns caninos figuras como esse da foto aí de cima… ele tem dreadlocks ou o quê? :-)

A foto foi clicada por Tim Flach e faz parte do livro “Dogs Gods”, lançado no final de outubro. Tem outras fotos bem bacanas no livro; para conferir, dê uma olhada no site de Flach.

(Via Abduzeedo)

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Vencedores do Prêmio Tok&Stok de Design 2010

Aconteceu ontem, Museu da Casa Brasileira, a entrega do Prêmio Tok&Stok de Design Universitário. O evento foi bem descontraído: os mestres de cerimônia foram Paulinho Serra, Tatá Werneck e Rodrigo Capella, do programa “5ª Categoria MTV”, que antes de revelar os vencedores arrancaram gargalhadas do público com uma apresentação de humor de improviso.

DSC043172'[9]

O primeiro lugar foi para o projeto Kid’s Block, de Aline Karlovic Burgos (FAAP), orientada pelo professor Milton Francisco Junior. Com duas peças, o móvel pode funcionar como cadeira ou como estante, quando empilhado (para isso, basta destacar o assento, invertê-lo e encaixá-lo à parte inferior da base).

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Bienal de Design 2010: materiais recriados

O lixo é o único recurso em expansão no planeta, já dizia Buckminster Fuller nos idos dos anos 1960. Nada mais inteligente, portanto, do que utilizar inteligentemente este recurso, não é? Este é o mote da mostra “A reinvenção da matéria”, que integrou a programação da Bienal em Curitiba.

DSC039722'

Organizada em torno de dois eixos – Natural e Artificial –, a exposição trata de mostrar exemplos de transmutação de materiais corriqueiros e abundantes (papelão, alumínio, PET, borracha, fibras e sementes) em produtos de naturezas diversas, desde aqueles pautados sobretudo pela funcionalidade (como componentes para automóveis) até outros que são verdadeiros objetos de desejo. A seguir, os produtos que achei mais bacanas no setor Artificial.

Uma imagem para a sexta… (#25)


DSC039762'

A foto aí de cima é um detalhe de uma das embalagens da Mana Bernardes, jovem designer carioca que trabalha essencialmente com a utilização de materiais “pobres” na criação de suas joias. Sim, digo “joias”, porque, apesar de das peças idealizadas por Mana serem construídas a partir de colheres de plástico, grampos de cabelo, pedaços de garrafas PET e outros materiais do tipo, o resultado é realmente precioso, assim como preciosa é essa embalagem, que a designer utiliza para acondicionar suas criações. Nela, Mana faz alusão à importância da transformação – essência de seu trabalho – não apenas no design, mas na vida. Nada mais verdadeiro, né?

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Inovação e sustentabilidade no design brasileiro


Bienal Ctba_1

Há alguns dias, estive em Curitiba para visitar a Bienal de Design, que terminou no dia 31/10. Fiquei impressionada com a abrangência e a consistência dessa Bienal, e otimista em relação aos rumos do design brasileiro: a tirar pelos produtos ali reunidos, arrisco a dizer que nosso design nunca esteve em um momento tão fértil, tão vigoroso.

Sob o mote “Design, inovação e sustentabilidade”, nove exposições foram organizadas, mostrando diferentes aspectos e setores do design:

  • Design, inovação e sustentabilidade – era a mostra principal, e lá foram expostos cerca de 250 projetos de todo o Brasil. “Houve uma preocupação deliberada de diversificação de procedência geográfica dos trabalhos escolhidos, na busca de uma representatividade nacional”, explica Adélia Borges, a curadora geral da Bienal, também responsável pela curadoria da mostra principal.

Foto: Diego Pisante / Agencia Clix - press.clix.fot.br. CREDITO OBRIGATORIO. Todos os direitos reservados.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Uma imagem para a sexta… (#24)


A beleza está nos olhos

Dizem que “a beleza está nos olhos de quem vê”. Em muitos casos, é bem verdade… mas acho que a beleza dessa foto independe de quem olha, não?  ;-)

(Via Oiha23 / Flickr)

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Herdeiro do origami?


Rubber Stool_1

Entendeu do que se trata a imagem acima? É um banco, criado pelo estúdio japonês h220430: feito a partir de borracha reciclada, o banco é vendido na forma plana. A ideia é super simples, mas eficiente: para montar, é só “dobrar” as pernas umas em direção às outras e fixá-las com pinos.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Heloisa Crocco: Topomorfose

Na semana passada eu postei aqui um banquinho criado pela Heloisa Crocco, cujo trabalho tem uma poesia que me encanta. E há alguns dias a assessora de imprensa da Tok & Stok me enviou um exemplar do livro “Heloisa Crocco: Topomorfose”, que celebra a obra da artista plástica e designer gaúcha.

Topomorfose_E''

Organizado por José Alberto Nemer e com projeto gráfico de Marcelo Drummond, o livro baseia-se principalmente em informação visual: as fotos nos levam a um gostoso “passeio” pela produção de Heloisa e pelas referências que permeiam sua obra, na qual a madeira é presença constante.

Em Topomorfose, a madeira surge redescoberta, apresentada por outro prisma: ao revelar os nós e veios do material, a “impressão digital da natureza”, Heloisa Crocco convida a uma nova leitura desta matéria-prima que nos é tão familiar e cotidiana.

sábado, 23 de outubro de 2010

Reuso bacana e acessível (#3)

Outra boa ideia de reuso é essa da Marília, do blog Casa da Maricota. Ela transformou um par de havaianas que já estava velhinho num porta-revistas bem simpático pro banheiro. Olha só como ficou:

Revisteiro de havaianas

E a execução não tem mistério: ela pintou as havaianas e revestiu as tiras com fita de cetim. Depois parafusou na parede. Pronto!
A Marília conta o passo-a-passo em detalhes no blog dela, para ver clique aqui.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Uma imagem para a sexta… (#23)


Céu multicolorido em Berlim

Hoje me deu vontade de deixar o Quintana falar por mim…


Canção do Dia de Sempre

Tão bom viver dia a dia...
A vida assim jamais cansa...

Viver tão só de momentos
Como estas nuvens no céu...

E só ganhar, toda a vida,
Inexperiência... esperança...

E a rosa louca dos ventos
Presa à copa do chapéu.

Nunca dês um nome a um rio:
Sempre é outro rio a passar.

Nada jamais continua,
Tudo vai recomeçar!

E sem nenhuma lembrança
Das outras vezes perdidas,
Atiro a rosa do sonho
Nas tuas mãos distraídas...

Mário Quintana

(Foto: Matthias Heiderich via Behance)

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Segurança invisível

Já falei algumas vezes aqui sobre o aumento do uso das bikes como meio de transporte urbano, e a ideia realmente me agrada, por várias razões (embora ache que as condições em muitas das cidades brasileiras não dão segurança ao ciclista...).

Bike na cidade

Mas o fato é que com a onda ecofriendly as bikes assumiram um status de objeto cool. E com isso cada vez mais bicicletas interessantes – algumas versáteis, outras lindas – têm surgido por aí. Mas se tem uma coisa que não é nada cool é o capacete, né? Imagina a moça aí de cima, toda estilosa, usando um capacetinho desajeitado…  Por outro lado, a proteção é super necessária, e isso não se discute.

Hovding Helmet 1'

E aí que eu achei o máximo quando vi o capacete Hövding, projetado pelas designers suecas Anna Haupt e Terese Alstin – na minha opinião, os suecos dão show quando se trata de design para a qualidade de vida. Acho que  esse produto tem tudo pra decretar a aposentadoria definitiva dos tradicionais capacetes de bike.

Depois de fazer uma pesquisa com os ciclistas nas ruas (e eles normalmente estavam sem o capacete), Anna e Terese descobriram que as pessoas não usavam o apetrecho por várias razões, mas boa parte delas envolvia a aparência (ou o próprio capacete era considerado feio, ou seu uso estragaria o cabelo, e assim por diante…). E uma das pessoas disse que queria um capacete invisível – foi a  partir daí que surgiu o conceito do Hövding: usado ao redor do pescoço, parece uma gola alta, mas funciona como um airbag que envolve a cabeça no momento de um acidente. Todas as pessoas aí de baixo estão usando o “capacete invisível” – os dois modelos disponíveis:

original_ro-herr

original_cc-dam original_cc-herr

Mas o principal é que esse capacete parece absorver o impacto de um jeito bem mais eficiente que os tradicionais, de isopor. Pra conferir o funcionamento, vale dar uma olhadinha no video abaixo:

Design do bom é aquele que melhora a vida das pessoas… E se puder ser com estilo, melhor ainda!!

(Via TreeHugger e Hövding; foto do alto by moriza/Flickr)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails